Plinio Corrêa de Oliveira

AMBIENTES, COSTUMES, CIVILIZAÇÕES

Prezam a civilização cristã e aplaudem

expoentes do neopaganismo

 

"Catolicismo" Nº 66 - Junho de 1956

Bookmark and Share

Segundo a ordem natural das coisas, as elites de um povo, e de modo particular as que representam, perpetuam e atualizam a tradição, constituem como que a quintessência, a expressão mais alta e mais típica das qualidades nacionais. As elites verdadeiras não formam pois um corpo de gozadores egoístas que açambarcam em benefício próprio, todas as vantagens e todas as qualidades em detrimento da massa embrutecida e faminta. Elas fazem parte do povo - no sentido genial que Pio XII deu à palavra - vivem da mesma seiva, têm em grau eminente e para o bem de todos, as qualidades que exornam toda a nação, e estão para esta como a flor para a haste, ou a cabeça para o corpo.

Assim é que o Ocidente cristão entendeu o papel das elites. E é a compreensão deste papel, que dá à Inglaterra, a par de seu prestígio de grande nação hodierna, o encanto e a distinção que todos lhe reconhecem.

O desenvolvimento do sentido da personalidade humana se nota admiravelmente no mais modesto dos ingleses. E esta qualidade, difundida em todo o corpo da nação, se exprime magnificamente nos elementos exponenciais de suas múltiplas elites: mundo científico, administradores, estadistas, guerreiros, fidalgos.

Nosso clichê representa dois pajens do Duque de Norfolk - o líder católico inglês - em traje de gala para a coroação da Rainha. Por sua alta e tão natural distinção, são eles o fruto típico de uma escola de educação, e de uma tradição que visa levar ao auge o esplendor e a dignidade do homem, pelo domínio do espiritual sobre o físico, pelo controle do que o homem tem de baixo, e desenvolvimento do que ele tem de nobre.

A Inglaterra inteira - inclusive, insistimos, o mais modesto inglês - se reflete de algum modo neles.

*   *   *

Jovens comunistas em marcha. É a massa sem elite, em que uma filosofia materialista desencadeou a animalidade humana. Os traços do rosto são diversos. Mas a expressão é a mesma: ferocidade, descontrole, vulgaridade. Tem-se a impressão de almas que vivem para o culto da matéria e as vibrações do ódio. E nada mais.

*   *   *

Como pôde o governo inglês prestigiar, aproximando-os da Rainha, levando-os a Westminster, prestando-lhes todas as honras oficiais, esses sinistros representantes do materialismo, da brutalidade e da incultura, que são Kruchtchev e Bulganin? Isto depois de, há algum tempo atrás, Tito já ter maculado com sua presença os mesmos lugares!

Compreendemos a reação dos refugiados russos, poloneses e balcânicos. Compreendemos o desagrado dos católicos ingleses. Não somos contra tomadas de contacto diplomáticas, mas parece-nos que elas poderiam produzir igual resultado num ambiente discreto, sem as honrarias que foram para o comunismo um triunfo moral.

Não se tem o direito de cultivar de tal maneira os valores de que o comunismo é a mais atroz negação e ao mesmo tempo manifestar consideração e apreço aos expoentes mais qualificados do comunismo.