Plinio Corrêa de Oliveira

 

Comentários ao

"Tratado da verdadeira devoção

a Nossa Senhora"

 

Cap. I, art. II

 

1951, Conferência

  Bookmark and Share

A D V E R T Ê N C I A

O presente texto é adaptação de transcrição de gravação de conferência do Prof. Plinio, em 1951, para os futuros sócios-fundadores da TFP brasileira.

Se o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira estivesse entre nós, certamente pediria que se colocasse explícita menção a sua filial disposição de retificar qualquer discrepância em relação ao Magistério da Igreja. É o que fazemos aqui constar, com suas próprias palavras, como homenagem a tão belo e constante estado de espírito:

“Católico apostólico romano, o autor deste texto  se submete com filial ardor ao ensinamento tradicional da Santa Igreja. Se, no entanto,  por lapso, algo nele ocorra que não esteja conforme àquele ensinamento, desde já e categoricamente o rejeita”.

As palavras "Revolução" e "Contra-Revolução", são aqui empregadas no sentido que lhes dá o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira em seu livro "Revolução e Contra-Revolução", cuja primeira edição foi publicada no Nº 100 de "Catolicismo", em abril de 1959.

 Capítulo II

MARIA NO MISTÉRIO DA IGREJA

ARTIGO II

CONSEQUÊNCIAS

 

PRIMEIRA: Maria é a rainha dos corações 

Vimos como São Luís Grignion mostrou no início de seu “Tratado” o papel de Nossa Senhora na Encarnação do Verbo e na Redenção do gênero humano. A partir desse papel, concluiu ele que, se na Encarnação do Verbo e na Redenção do gênero humano foi tão profundo o alcance da missão de Nossa Senhora, evidentemente deve sê-lo também na obra da salvação das almas. Vimos então como ele analisou as relações de Nossa Senhora com Deus Padre, com Deus Filho e com Deus Espírito Santo na geração dos membros do Corpo Místico de Nosso Senhor Jesus Cristo, que somos cada um de nós. Dessas verdades tira ele uma conclusão quase óbvia: Nossa Senhora tem um grande poder sobre as almas. 

Há uma verdade que, a bem dizer, é experimental dentro da Santa Igreja: quando uma associação religiosa vai mal, ou o andamento de uma iniciativa de apostolado está difícil, quando qualquer empreendimento santo não está despertando o interesse desejado nem criando raízes no povo, o meio que se tem para resolver as dificuldades, o caminho a seguir para tudo resolver, é colocar essas obras sob a égide de Nossa Senhora

O mais insigne desses exemplos é a cruzada pregada contra os albigenses. Como sabemos, eles viviam na região de Albi, no sul da França, e eram tão pertinazes que não havia meio de os dominar. Nossa Senhora revelou então a São Domingos de Gusmão uma devoção a Ela, mediante a qual os hereges seriam subjugados. E, de fato, depois de difundida a devoção ao Santo Rosário, a heresia dos albigenses, que era tremenda e estava profundamente radicada no solo francês, começou a ser debelada. Há ainda fatos menores, mas também muito sintomáticos. 

Onde se encontra a Santíssima Virgem, tudo floresce. As Congregações Marianas tiveram um florescimento enorme no Brasil, devido precisamente ao culto a Nossa Senhora. Toda a vida católica no Brasil foi florescentíssima no tempo em que não havia esse maldito combate à devoção a Nossa Senhora. É só minguar de qualquer forma a devoção a Ela, que imediatamente todas as coisas começam a decair. 

A prova mais insigne do que digo foi o efeito letal que produziu o jansenismo na França, no século XVIII. Essa heresia, como sabemos, combate a devoção a Maria Santíssima. Foi suficiente que o jansenismo começasse a se lançar nesta sanha anti-marial diabólica, para que a vida espiritual deperecesse nas paróquias atingidas pela heresia. As estatísticas, que já naquele tempo se faziam com regularidade, mostram o número assombroso de comunhões que decrescem, de batizados que escasseiam, de casamentos que decaem, e assim todos os demais índices de vida religiosa passam a exprimir um deperecimento. Qual a razão? Nossa Senhora fora eliminada da vida religiosa. 

Esta verdade se põe com a clareza de uma constatação de laboratório. A demonstração da ação de um corpo faz-se colocando-o em presença de outro, e passa-se então certo fenômeno; tirando-se o corpo, o fenômeno deixa de se produzir; sendo colocado de novo, volta a se repetir o fato. Daí se deduz que aquele corpo é causa daquele fenômeno. Assim também com a devoção a Nossa Senhora: onde há devoção a Maria, tudo floresce; extinta essa devoção, tudo míngua; restaurada novamente, tudo volta a florescer. 

A razão disso é teológica e profunda. São Luís Grignion mostra que, se Nossa Senhora tem uma grande influência na geração dos membros do Corpo Místico, Ela implicitamente tem grande poder sobre as almas, porque Ela não poderia obter a geração do Corpo Místico se não tivesse esse poder. 

A devoção a Maria Santíssima age sobre as almas, e o faz de forma imensamente poderosa; por isso as conversões mais profundas, as mudanças de espírito mais surpreendentes, as graças espirituais mais assinaladas são produzidas por essa devoção. Em conseqüência, Nossa Senhora deve ser chamada a Rainha dos Corações. É uma das mais belas invocações a Ela dirigidas

 

SEGUNDA: Maria é necessária aos homens para chegarem ao seu último fim 

São Luís Grignion tira a seguir outra conclusão, também óbvia: Nossa Senhora é necessária aos homens para chegarem ao seu último fim. É coisa evidente, pois se Nossa Senhora é necessária para sermos gerados em Jesus Cristo, é necessária para chegarmos ao último fim, que se atinge quando somos gerados em Jesus Cristo. 

Em seguida ele nos mostra que a devoção a Nossa Senhora é especialmente necessária para aqueles que querem atingir uma grande santidade. É também óbvio. A santidade é uma graça insigne de Deus. Se Nossa Senhora é a medianeira de todas as graças, sem a devoção a Ela jamais se alcançará esse estado. 

 

A devoção à Santíssima Virgem será especialmente necessária nesses últimos tempos 

O propósito de São Luís Grignion ao escrever este “Tratado” não foi o de fazer uma obra como a de Mons. Henri Delassus, a respeito do passado, do presente e do futuro da civilização cristã. Desta maneira, os elementos proféticos que se encontram na exposição de São Luís Grignion figuram mais ou menos acidentalmente. Ele nos fala a respeito do fim do mundo e dos fatos que o antecederão, apenas na medida em que poderiam interessar à devoção mariana. Mas como, além de saber em que medida essas coisas podem interessar à devoção mariana, interessamo-nos também em conhecer seu pensamento a respeito do fim do mundo, temos de colher, em pontos esparsos do Tratado, os elementos necessários para tal. 

São Luís Grignion começa a tratar da questão no parágrafo terceiro da segunda conseqüência: "A devoção à Santíssima Virgem Maria será especialmente necessária nesses últimos tempos" (tópico 49). 

Notemos bem: será necessária “nesses últimos tempos”. Parece que há uma antítese nesta frase, porque dizer que “será necessária nesses últimos tempos” parece uma contradição. 

A expressão "últimos tempos", na linguagem comum, significa os tempos mais recentes. Podemos, por exemplo, dizer que "nos últimos tempos temos feito tal ou tal coisa". São os tempos mais próximos. Ora, dizer que uma coisa "será necessária nesses últimos tempos" é aparentemente contraditório. É evidente então que ele entende por "últimos tempos" os últimos tempos nos quais estamos, e que vão daqui por diante se prolongar. A devoção a Maria será necessária, pois, nesses últimos tempos que já começaram, nos quais já estamos, e que daqui para a frente vão se desenrolar. Veremos isso ao longo da exposição. 

São Luís Grignion aponta muito bem os prenúncios da Revolução Francesa. Ele não fala claramente numa revolução, mas menciona uma decomposição moral, religiosa e social que está preparando uma catástrofe. Ele vê essa decomposição, essa desagregação, como um passo preliminar do fim dos tempos. Esta é a perspectiva em que ele se situa. A respeito dela, veremos o seu pensamento ao longo do livro. 

Papel especial de Maria nos últimos tempos - São Luís Grignion divide o papel de Nossa Senhora na história da Igreja em duas partes: 1) quando da primeira vinda de Nosso Senhor; 2) quando da futura segunda vinda de Nosso Senhor. 

Segundo ele, quando da primeira vinda Nossa Senhora teve um papel muito escondido, porque, sendo Ela de uma formosura e de um esplendor de personalidade sem iguais, poderia, de certo modo, atrair por demais as vistas e as atenções, deslumbrando tanto, que o papel de Seu divino Filho não ficasse inteiramente claro a todos os homens. Por essa razão, foi prudente mantê-La na sombra. E assim o Evangelho fala pouco de Nossa Senhora. 

Na aurora da Igreja, a irradiação do Seu esplendor era inoportuna, mas na segunda vinda de Nosso Senhor se dará o oposto. Note-se como a idéia dos últimos tempos já está aqui marcada. Com efeito, sabemos que no fim dos tempos Nosso Senhor virá novamente. São Luís Grignion fala realmente, portanto, do fim dos tempos, quando Jesus Cristo virá pela segunda vez. Nessa segunda vinda Nossa Senhora terá um papel salientíssimo. 

Temos aqui um segundo elemento profético, que se soma ao que ele já enunciou afirmando que estamos nos primórdios dos últimos tempos. Agora ele diz que Nossa Senhora é a figura central dos últimos tempos. São Luís Grignion profetiza que a devoção a Ela vai ser muito mais patente, a Sua ação muito mais visível, o Seu papel na teologia muito mais relevante, à medida que formos nos aproximando dos últimos tempos. 

O papel de Nossa Senhora vai, portanto, crescendo ao longo da história da Igreja. Quando for plenamente conhecido e chegar ao seu completo desenvolvimento, e as intervenções da Santíssima Virgem na vida espiritual quotidiana dos fiéis forem se tornando mais numerosas, mais evidentes, mais translúcidas, teremos o sinal de que os últimos tempos estão próximos. 

 

O engrandecimento da devoção a Nossa Senhora está na raiz dos últimos tempos 

São Luís Grignion desenvolve a seguir a afirmação de que há uma incompatibilidade fundamental entre Nossa Senhora e o demônio. Ele nos mostra que tudo quanto Deus faz é perfeito; que Ele formou uma só inimizade, mas que essa inimizade é perfeita e durável como todas as obras de Deus; e que, portanto, a inimizade entre os filhos do demônio e os filhos de Nossa Senhora é uma inimizade perfeita, completa, durável, que irá até o fim dos tempos. E os últimos tempos são precisamente aqueles em que o demônio, segundo tudo nos leva a crer, terá um poder maior sobre os homens, por causa da malícia humana. Serão os tempos do Anticristo. É bem verdade que se pode sustentar que entre a vinda do Anticristo e o fim do mundo mediará muito tempo, mas é um fato discutível; de qualquer forma, a vinda do Anticristo é considerada um prenúncio do fim do mundo. 

 

Os apóstolos dos últimos tempos e o demônio 

Como se explica que, tornando-se muito maior o papel de Nossa Senhora, cresça também consideravelmente o do demônio? A explicação está nos próprios fatos. A partir do protestantismo a humanidade não tem feito outra coisa senão piorar; entretanto, a devoção a Nossa Senhora não tem feito outra coisa senão crescer prodigiosamente dentro da Igreja de Deus, nestes tempos. 

Os dois fatos são concomitantes. A teologia progride cada vez mais, no sentido de afirmar as grandezas de Nossa Senhora, e os verdadeiros fiéis, por sua vez, são cada vez mais devotos d'Ela. Fora dessa ordem de coisas, contudo, o poder do demônio cresce assustadoramente. 

Estes dois progressos em sentidos opostos são incompatíveis, mas o fato de serem concomitantes tem certa lógica. À medida que a luta entre a Virgem e o demônio torna-se mais aguda, os filhos da Virgem dão-se mais a Ela, e os do demônio mais se dão a ele. À medida que os maus vão se tornando piores, os que perseveram fiéis, os que têm o heroísmo e a força de pertencer completamente a Nossa Senhora dentro das mais adversas circunstâncias, estes ficam também cada vez mais dominados, mais embebidos pelo espírito de Maria Santíssima. 

Temos então, através disto, uma explicação deste duplo fato: de um lado, o ódio satânico contra a Igreja, que cresce cada vez mais; de outro, a devoção a Nossa Senhora, que progride imensamente. 

Tau

Daí segue-se que a característica específica daqueles que devem viver nestas circunstâncias é que sejam devotos de Nossa Senhora. Todos os que lutam contra o demônio, contra o poder das trevas, todos os que querem, como nós, ser marcados pelo "tau" (dos que se mantêm fiéis no meio da apostasia geral, e inconformados com o que se passa entre o povo de Deus) do não conformismo com o estado de coisas atual, todos devemos ter, como característica própria, uma grande devoção a Maria Santíssima. São coisas forçosamente interligadas. 

 São Luís Grignion expõe então as características da ação de Nossa Senhora nesta luta. 

 

A inimizade entre Maria e Lúcifer 

"Uma única inimizade Deus promoveu e estabeleceu, inimizade irreconciliável, que não só há de durar, mas aumentar até o fim" (tópico 52). 

Portanto, esta inimizade não só há de durar, mas há de aumentar até o fim. Não que o ódio de Nossa Senhora contra o demônio cresça, porque já é tão grande quanto possível; nem que cresça o ódio dele contra Ela, porque já chegou à totalidade desde o primeiro instante. Mas a luta entre Ela e ele é que irá aumentando até o fim. É a confirmação do que dizíamos. 

Continua São Luís Grignion: "... a inimizade entre Maria, Sua digna Mãe, e o demônio; entre os filhos e servos da Santíssima Virgem e os filhos e sequazes de Lúcifer" (tópico 52). 

Note-se que não cresce até o fim apenas a luta entre Nossa Senhora e o demônio, mas também a inimizade entre os filhos d'Ela e os filhos de Satanás. Em outras palavras, à medida que a Igreja caminha ao longo dos séculos, o ódio dos filhos do demônio aos de Nossa Senhora deve crescer, devendo também aumentar o ódio dos filhos de Maria Santíssima aos do demônio.

 

Cópia da Virgen del Apocalipsis, Escuela quitenha, Equador, sec. XVI

 

Maria, a mais terrível inimiga de Lúcifer 

"...de modo que Maria é a mais terrível inimiga que Deus armou contra o demônio" (tópico 52). 

Vê-se uma primeira nota da luta de Nossa Senhora contra o demônio: Ela é terrível. É uma qualidade de Nossa Senhora. Se Ela é terrível em relação ao demônio, nós, o que havemos de ser? Risonhos e sem energia? Estultos seríamos! 

 

Maria cheia de graça, Maria cheia de ódio 

"Ele Lhe deu até, desde o paraíso, tanto ódio a esse amaldiçoado inimigo de Deus" (tópico 52). Eis a segunda característica de Nossa Senhora: Ela é cheia de ódio em relação ao amaldiçoado inimigo de Deus, e esse ódio Lhe foi dado antes mesmo de nascer, no paraíso. Quando da primeira profecia de Maria, Ela já veio carregada de ódio santo de Deus. 

 

A clarividência mariana 

"... tanta clarividência para descobrir a malícia dessa velha serpente" (tópico 52) 

Eis aqui a argúcia, que causa tanto terror aos adversários dos filhos de Nossa Senhora: é aquele senso de ortodoxia, por onde se percebe o quinto sentido subjacente numa palavra ambígua, e se demonstra o seu conteúdo herético. Os filhos das trevas ficam indignados, estertoram, mas a heresia fica denunciada. Esta clarividência é um dom de Nossa Senhora, é uma característica que Ela recebeu de Deus. Se nós não tivermos essa clarividência, não possuiremos o espírito d'Ela e não A imitaremos. 

Aquele que é apresentado como o maior doutor marial da Igreja é quem no-La apresenta como modelo de clarividência para descobrir as artimanhas do demônio. E essas artimanhas não são só doutrinárias. O demônio é o pai da mentira e da politicagem, e é preciso que se tenha solércia para perceber as tramas de Satanás e para saber enfrentá-lo. São dons que vêm de Nossa Senhora, e que devemos pedir a Ela. São traços da posse do espírito marial. É São Luís Grignion quem o afirma. 

 

Maria, esmagadora e aniquiladora de Satanás 

"... tanta força para vencer, esmagar e aniquilar esse ímpio orgulhoso" (tópico 52). 

Para vencer, esmagar e aniquilar satanás, ou seja, para triturá-lo por todas as formas. As vitórias de Nossa Senhora sobre o demônio não são superficiais, como que "per summa capita". Se Ela vence, é para esmagar e aniquilar; e estas são duas expressões que significam que o adversário será reduzido a pó. 

Este é o espírito de Nossa Senhora. Não se trata de obter uma pequena vitória, por assim dizer "acadêmica", mas sim de aniquilar e esmagar. Estas são duas palavras muito apropriadas: o esmagado não está apenas jogado por terra, mas sob o peso de uma derrota tal, que perde a própria forma; está triturado; e o aniquilamento é algo ainda pior, porque o aniquilado deixa de existir, é reduzido a "nihil", a nada, reduzido a pó; pior do que pó, reduzido a vácuo. Assim é como Nossa Senhora vence. 

 

Maria, mais terrível que o próprio Deus 

"... que o temor que Maria inspira ao demônio é maior que o que lhe inspiram todos os Anjos e homens, e, em certo sentido, o próprio Deus" (tópico 52). 

Detenhamo-nos na expressão "em certo sentido, o próprio Deus". Vale dizer que, apesar de Deus ser onipotente e de todo o poder de Nossa Senhora não ser senão o poder d'Ele, de alguma forma o demônio tem mais medo de Maria Santíssima do que de Deus. Compreende-se então que seja muito eficaz na luta contra o demônio não falar apenas de Deus, mas também, com toda a imensa evidência que merece, da Santíssima Virgem. O ponto que o deixa mais acabrunhado e esmagado é o fato de sê-lo por Nossa Senhora. 

"Não que a ira, o ódio, o poder de Deus não sejam infinitamente maiores que os da Santíssima Virgem, pois as perfeições de Maria são limitadas. Mas, em primeiro lugar, Satanás, porque é orgulhoso, sofre incomparavelmente mais, por ser vencido e punido pela pequena e humilde escrava de Deus, cuja humildade o humilha mais que o poder divino" (tópico 52). 

Deus quer então vencer Satanás por meio de Nossa Senhora. As suas graças são concedidas sempre por meio d'Ela, porque assim Ele vence melhor o demônio. Satanás é esmagado, é humilhado por Aquela cujo poder ele não quis reconhecer no Céu, e foi exatamente (segundo conceituados teólogos) em conseqüência dessa recusa que apostatou. Por meio de Nossa Senhora a vitória de Deus é mais completa. 

"Segundo, porque Deus concedeu a Maria tão grande poder sobre os demônios, que - como muitas vezes se viram obrigados a confessar pela boca dos possessos - infunde-lhes mais temor um só de seus suspiros por uma alma do que as orações de todos os santos, e uma só de suas ameaças do que todos os outros tormentos" (tópico 52). 

Quando se perguntou a marinheiros da esquadra turca de Lepanto por que, em determinado momento, se sentiram tomados de pânico e fugiram, responderam que viram no céu uma senhora admirável, que os olhava tão terrivelmente que não puderam resistir. 

É o importante traço distintivo da devoção a Maria, que São Luís Grignion nos aponta uma vez mais: Ela, o terror dos demônios. É portanto sumamente eficaz na luta contra o poder das trevas revestir-se, por assim dizer, de Maria Santíssima. É o modo seguro de se conseguir as vitórias para Ela. 

 

Os Santos dos Últimos Tempos 

No tópico 54, São Luís Grignion começa a tratar, pela primeira vez, dos santos que, suscitados por Nossa Senhora, florescerão nos últimos tempos da Igreja, e que serão de uma santidade maior do que os de qualquer tempo anterior. São Luís Grignion, em tom profético, trata longamente destes Santos dos Últimos Tempos. 

"Mas o poder de Maria sobre todos os demônios há de patentear-se com mais intensidade nos últimos tempos, quando Satanás começar a armar insídias ao seu calcanhar, isto é, aos seus humildes servos, aos seus pobres filhos, os quais Ela suscitará para combater o príncipe das trevas" (tópico 54). 

Aparece aqui um terceiro elemento: haverá pessoas que, suscitadas por Maria de modo especial, farão a guerra ao demônio. Contra essas almas, Satanás levantará a mesma guerra que urde contra Nossa Senhora. Esses escravos de Maria, pela submissão e união a Ela, serão o Seu calcanhar, alvo das insídias do demônio, mas também instrumento para aniquilá-lo. 

 

Nosso sinal: o "tau" ou o calcanhar? 

"Eles serão pequenos e pobres aos olhos do mundo, e rebaixados diante de todos, como o calcanhar; calcados e perseguidos como o calcanhar, em comparação com os outros membros do corpo" (tópico 54). 

Fato terrível: a vocação do apóstolo de Nossa Senhora é ser como que o calcanhar do gênero humano, que o pisa e anda calcando-o. A vocação daqueles que são apóstolos de Maria Santíssima consiste em servir de calcanhar. De calcanhar ativo, que retribui os golpes. 

Quando consideramos a nossa situação de apóstolos da Contra-Revolução, devemos reconhecer que ela tem muito de "calcanharesco".

Se não tivéssemos escolhido por nosso sinal o "tau", escolheríamos o calcanhar. O calcanhar tem uma sublime missão. Se é bem verdade que ele é calcado, é dele a glória de calcar. E há uma cabeça que foi feita para ser por ele pisada: a de Lúcifer. Devemos estar à procura dessa cabeça, para pisá-la, com a graça de Nossa Senhora. 

 

Serão santos superiores a toda criatura 

"Mas, em troca, eles serão ricos em graças de Deus, graças que Maria lhes distribuirá abundantemente. Serão grandes e notáveis em santidade diante de Deus, superiores a toda criatura, por seu zelo ativo" (tópico 54). 

São Luís Grignion faz um outro prenúncio: os apóstolos dos últimos tempos serão santos excepcionais, como não há em nossa época e não houve no passado. Dizendo "superiores a toda criatura", envolve pois as do passado. Serão Santos maiores do que todos os dos séculos passados. Deverão florescer no futuro, mas de sua santidade e de sua vocação participam desde já todos aqueles que batalham nesta mesma luta contra o poder das trevas

"... e tão fortemente amparados pelo poder divino que, com a humildade de seu calcanhar, e em união com Maria, esmagarão a cabeça do demônio e promoverão o triunfo de Jesus Cristo" (idem). 

É o final da profecia: haverá um período de justiça, alcançado por estes apóstolos. Eles esmagarão a cabeça do demônio. 

Vemos, portanto, as características fundamentais desses apóstolos, postas por São Luís Grignion:

a) É uma raça espiritual, oposta e irredutivelmente adversa a Lúcifer e à raça deste;

b) São homens que viverão num estado de perseguição constante;

c) Serão chamados por Maria Santíssima, de um modo especial, a uma grande dedicação à causa da Igreja;

d) Acabarão por vencer, porque esmagarão a cabeça do demônio. 

São os traços distintivos dos Santos dos Últimos Tempos. Mas, como estes tempos já começaram (segundo a linguagem de São Luís Grignion, a sua época estava já dentro da perspectiva dos últimos tempos), os santos de nossa época estão já numa espécie de relação com os dos últimos dias da Igreja. O santo de nossa época é, pois, o tipo do santo dos Últimos Tempos, descrito por São Luís Grignion, que ele apresenta como um fruto característico da devoção a Maria Santíssima. 

Há, portanto, uma conexão muito grande entre os últimos tempos e a nossa época, entre os Santos dos Últimos Tempos e os batalhadores da causa da Igreja em nossos dias. 

 

Os Apóstolos dos Últimos Tempos 

São Luís Grignion nos fala agora especificamente dos Apóstolos dos Últimos Tempos: "Deus quer, finalmente, que Sua Mãe Santíssima seja agora mais conhecida, mais amada, mais honrada, como jamais o foi" (tópico 55). 

Dizíamos acima que, nos últimos tempos, Nossa Senhora seria mais conhecida e mais amada. Neste tópico São Luís Grignion nos afirma que é agora, isto é, no tempo dele. Portanto, sua época já participa dos últimos tempos. 

"E isto acontecerá, sem dúvida, se os predestinados puserem em uso, com o auxílio do Espírito Santo, a prática interior e perfeita que lhes indico a seguir" (tópico 55). 

Eis o papel histórico da devoção que prega. É o meio pelo qual os predestinados da graça podem adquirir este espírito e colocar-se de acordo com a sua vocação. É a devoção que até aí conduz. 

"E, se a observarem com fidelidade, verão então claramente, quanto lho permite a Fé, esta bela Estrela do Mar, e chegarão a bom porto, tendo vencido as tempestades e os piratas. Conhecerão as grandezas desta Soberana, e se consagrarão inteiramente a seu serviço, como súditos e escravos de amor" (tópico 55). 

Será que antes de São Luís Grignion - poder-se-ia perguntar - ninguém conheceu Nossa Senhora? Maria Santíssima não levou antes dele ninguém a bom porto? Será que Ela não fez manifestar na Igreja, antes dele, as suas grandezas? Seria absurdo admiti-lo. Por que então ele apresenta estas coisas como típicas do seu espírito? É porque elas serão mais reais nas almas formadas em sua escola de espiritualidade do que em qualquer outra. O que já é verdade de todos os santos, de todos os que seguem a doutrina da Igreja, sê-lo-á muito mais ainda dos que seguirem a espiritualidade de São Luís Grignion. 

Ele aqui apenas insinua o que irá dizer mais tarde: a devoção que ensina e os princípios mariais que inculca não são acessíveis ao conhecimento de qualquer homem. Conhecer bem Nossa Senhora, praticar esta devoção, é uma predestinação, é uma graça especial, não comum. Esta não é uma devoção para qualquer pessoa, mas apenas para alguns predestinados. É uma graça especialíssima, que Deus reserva para os últimos tempos. Por isso, mais tarde ele dirá que, para compreender esta devoção e praticá-la verdadeiramente, é preciso ter recebido um chamado muito especial. O restante do tópico contém uma série de promessas sobre as quais não há comentários especiais a fazer. 

 

Serão como flechas 

"Mas quem serão esses servidores, esses escravos e filhos de Maria? " (tópico 56). 

Aqui segue a descrição dos Apóstolos dos Últimos Tempos: "Serão ministros do Senhor, ardendo em chamas abrasadoras, que lançarão por toda parte o fogo do divino amor. Serão sicut sagittæ in manu potentis (Sl. 126,4) flechas agudas nas mãos de Maria todo-poderosa, pronta a transpassar seus inimigos" (tópico 56). 

A devoção a Maria Santíssima, segundo São Luís Grignion, está aliada à combatividade. Não se trata apenas de fazer “cordeirinhos de Cristo Rei”. 

 

Serão ascetas, colados a Deus e à Sua Igreja 

"filhos de Levi, bem purificados no fogo das grandes tribulações, e bem colados a Deus" (tópico 56). 

É importante observar o grau de união a Deus, que está prometido. E só há um meio de estar colado a Deus: é estar colado à Igreja de Deus. Estar colado significa estar unido sem qualquer interstício, sem vácuo algum; é estar preso por todas as aderências possíveis à Igreja de Deus. Este é o sentido que ele nos quer dar, inculcando o espírito de devoção à Igreja Católica. 

"... que levarão o ouro do amor no coração, o incenso da oração no espírito, e a mirra da mortificação no corpo" (tópico 56). 

É a idéia da ascese, da austeridade, da virtude dura, mortificada. 

 

Serão o bom odor de Jesus Cristo para os desapegados 

"... e que serão em toda parte, para os pobres e pequenos, o bom odor de Jesus Cristo; e para os grandes, os ricos e os orgulhosos do mundo, um odor repugnante de morte" (tópico 56). 

O que são, na linguagem da Escritura, os pobres e os pequenos? Não são os sequazes dos demagogos modernos. Ser pobre e pequeno é ser pobre de espírito, é ser desapegado. Para esses é que é bom odor a presença dos servidores de Maria.

 

 

Serão o terror do demônio 

"Serão nuvens trovejantes" (tópico 57). 

Não são zéfiros nem brisas amenas, que trazem o bom odor das sensações emocionantes e românticas para as almazinhas adocicadas. São nuvens tonitroantes, que voam pelos ares. A imagem é majestosa, grandiosa. Reflete, em contraposição à suavidade de certo tipo de religiosidade sentimental, a grandeza, o poder e a cólera de Deus. A nuvem trovejante é a nuvem carregada, na qual o raio se forma, e da qual é lançado. 

"... esvoaçando pelo ar ao menor sopro do Espírito Santo" (tópico 57). 

Uma atmosfera cheia de nuvens trovejantes, a esvoaçar do Oriente ao Ocidente, não reflete absolutamente o clima carregado de otimismo que em certos ambientes se encontra. 

"... que, sem apegar-se a coisa alguma nem admirar-se de nada, nem preocupar-se, derramarão a chuva da palavra de Deus e da vida eterna. Trovejarão contra o pecado" (tópico 57). 

Não se trata, portanto, de pregar bondade contra o pecado. 

"... e lançarão brados contra o mundo, fustigarão o demônio e seus asseclas, e, para a vida ou para a morte, transpassarão lado a lado, com a espada de dois gumes da palavra de Deus (cfr. Ef. 6, 17), todos aqueles a quem forem enviados da parte do Altíssimo" (tópico 57). 

São batalhadores eficacíssimos, que têm a espada de dois gumes da palavra de Deus. Os apóstolos que São Luís Grignion assim descreve são homens de um poder verdadeiramente terrível, que causam ao demônio um medo capaz de desfazer as suas tramas. Argutos, perspicazes e vigorosos, esses apóstolos são o protótipo do verdadeiro católico.


Índice pormenorizado

Introdução

Capítulo I - Necessidade da devoção à Santissima Virgem / Artigo I - Primeiro princípio: Deus quis servir-se de Maria na Encarnação

Segundo princípio: Deus quer servir-se de Maria na santificação das almas

Capítulo II - Verdades fundamentais da devoção à Santíssima Virgem

Capítulo II (continuação): Mediação Universal de Nossa Senhora na obra de São Luís Grignion

Capítulo III - Escolha da verdadeira devoção à Santíssima Virgem

Capítulo IV - A perfeita devoção à Santíssima Virgem ou a perfeita consagração a Jesus Cristo

Capítulo V - Motivos que nos recomendam esta devoção

Capítulo VI - Figura bíblica desta perfeita devoção: Rebeca e Jacó 


Home

ROI campagne pubblicitarie