Plinio Corrêa de Oliveira

 

Nossa Senhora das Mercês

Harmonia da ação com a vida contemplativa

 

 

 

 

Santo do Dia, 24 de setembro de 1965

  Bookmark and Share

A D V E R T Ê N C I A

O presente texto é adaptação de transcrição de gravação de conferência do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira a sócios e cooperadores da TFP, mantendo portanto o estilo verbal, e não foi revisto pelo autor.

Se o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira estivesse entre nós, certamente pediria que se colocasse explícita menção a sua filial disposição de retificar qualquer discrepância em relação ao Magistério tradicional da Igreja. É o que fazemos aqui constar, com suas próprias palavras, como homenagem a tão belo e constante estado de espírito:

“Católico apostólico romano, o autor deste texto  se submete com filial ardor ao ensinamento tradicional da Santa Igreja. Se, no entanto,  por lapso, algo nele ocorra que não esteja conforme àquele ensinamento, desde já e categoricamente o rejeita”.

As palavras "Revolução" e "Contra-Revolução", são aqui empregadas no sentido que lhes dá o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira em seu livro "Revolução e Contra-Revolução", cuja primeira edição foi publicada no Nº 100 de "Catolicismo", em abril de 1959.

Imagem de Nossa Senhora das Mercês, em Cádiz (Espanha) 

Hoje é festa de Nossa Senhora das Mercês, e temos duas fichas que se completam a esse respeito. A primeira é "As Ordens resgatadoras" de Dom Guéranger:

“A diferença da Ordem da Santíssima Trindade (Trinitários), que a precedeu de vinte anos...”

Ou seja, uma outra Ordem de resgate de cativos presos pelos mouros.

“...a Ordem da Mercê fundada, por assim dizer, em pleno campo de batalha contra os mouros, contou mais cavaleiros do que clérigos em sua origem.”

Quer dizer, mais guerreiros do que sacerdotes concorreram para a fundação dessa Ordem.

“Ela foi nomeada Ordem Real, Militar e Religiosa de Nossa Senhora da Mercê para a redenção dos cativos. Seus clérigos se entregavam mais especialmente ao ofício do coro nos conventos; os cavaleiros vigiavam as costas e se desempenhavam da missão perigosa do resgate dos prisioneiros cristãos.”

Os senhores estão vendo que bonito equilíbrio de coisas: o clérigo é feito sobretudo para rezar pelos cavaleiros. Naturalmente, tinha alguns outros serviços espirituais. Mas a principal missão era a de orar pelos guerreiros. Então rezavam no ofício divino. E os cavaleiros lutavam, aproveitando assim as orações e os méritos acumulados pelos clérigos para eles.

Essa é uma idéia que sempre me foi muitíssimo simpática: uma verdadeira Ordem religiosa que tivesse um ramo puramente contemplativo a rezar e a expiar por aqueles que se consagram à ação, e dar assim à ação uma fecundidade especial. Sempre fui muitíssimo admirador de uma idéia assim. 

São Pedro Nolasco, guerreiro que vai para a sepultura com sua couraça e sua espada

São Pedro Nolasco, que foi o primeiro comendador geral ou Grão Mestre da Ordem, por ocasião do encontro de seus preciosos restos, foi ainda encontrado na sepultura armado de couraça e de espada.”

Os senhores considerem que coisa linda: o primeiro geral dessa Ordem, um guerreiro leigo, que vai para a sepultura com a couraça e a espada de sua batalha, disposto a assim comparecer para o julgamento de Deus. Isso é uma verdadeira maravilha, a idéia do guerreiro católico.

Que linda relíquia seria se pudéssemos ter para nossa capela a couraça e a espada de São Pedro Nolasco. Ou, digamos, uma cópia fiel que tivesse sido tocada na original e, assim, fosse uma relíquia indireta. Isto já seria uma verdadeira maravilha. 

Sob a indicação de Nossa Senhora, surge a Ordem dos Mercedários

Há alguns dados complementares sobre a Ordem das Mercês:

“A Igreja instituiu a festa de Nossa Senhora das Mercês por causa da Ordem religiosa fundada a conselho de Nossa Senhora para resgate dos cativos. Estando os cristãos escravizados pelos mouros na Espanha, parece que Deus compadeceu-se daqueles infelizes, expostos a perder a fé e a inocência e sujeitos a toda espécie de maus tratos.”

Os senhores sabem que os cristãos que eram aprisionados pelos mouros eram reduzidos à condição de escravos, e naturalmente não tinha socorro religioso nenhum. Podem imaginar uma terra de imoralidade, de promiscuidade, o desespero de um homem desses que cometesse um pecado e que não tivesse padre para se confessar? "Tenho ou não tenho atrição? Minha atrição não perdoa o meu pecado; terei um padre para me perdoar esse pecado na hora de minha morte? Como é que vai ser isso?..."

Os senhores podem imaginar toda a aflição e as quedas que tal situação deveria acarretar...

Depois, a coisa pavorosa é que os pagãos antigos, abusando do poder que tinham sobre os escravos, praticavam com eles toda espécie de imoralidades, de maneira que os cristãos ficavam expostos às piores coisas.

Então, a compaixão cristã se concentrou sobre eles e daí, sob a indicação de Nossa Senhora, a fundação de uma Ordem religiosa especialmente dedicada a isso.

 

 

São Pedro Nolasco (c. 1189-1256), quadro de Zurbarán

“Depois de São Pedro Nolasco, São Raimundo de Penaforte e Jaime, rei de Aragão, verificaram que cada um tinha tido a mesma visão...”

 

       

À esquerda, representação de São Raimundo de Penaforte (c. 1175-1275). À direita, Jaime, rei de Aragão (1208-1276) 

Que coisa linda! É sempre as coisas poéticas de Nossa Senhora. Ela que aparece ao rei de Aragão, a um pensador – como era São Raimundo de Penaforte –,  a um guerreiro como São Pedro Nolasco, e aos três recomendou a mesma coisa. Eles se encontram: "Olha, eu tive... Olha, eu também tive etc. Então vamos fundar a Ordem, nascida diretamente do sorriso de Nossa Senhora." Uma verdadeira maravilha, não é?

“Então, não duvidaram mais e resolveram fundar a Ordem a que dão o nome de Ordem de Nossa Senhora das Mercês para resgate dos cativos.” 

Ter uma devoção muito filial e muito confiante em Nossa Senhora

Nossa Senhora das Mercês ─ “mercê” é uma graça, um favor ─ é Nossa Senhora dos favores.

A Igreja, por assim dizer, não tem invocações suficientes para nos inculcar a idéia dessa liberalidade de Nossa Senhora, disposta a todo momento a nos dar graças excelentes, e a nos convidar por aí a pedi-las e a amar Nossa Senhora por ser tão boa assim.

Então que essa invocação nos sirva para abrir a alma a esse tipo de relação muito filial e muito confiante com Nossa Senhora, e que esses guerreiros julgaram essencial tê-la.

Embora a "heresia branca" (nota: expressão utilizada pelo conferencista para designar uma atitude sentimental que se manifesta sobretudo em certo tipo de piedade adocicada e uma posição doutrinária relativista que procura justificar-se sob o pretexto de uma pretensa "caridade" para com o próximo) tenha uma porção de coisas risonhas e abobadas, de fato não é nem um pouco "heresia branca” se confiar ao sorriso de Nossa Senhora, e ter uma confiança toda especial em Sua misericórdia risonha.

Não eram "heresia branca" nenhum desses santos. E, menos do que os outros ainda, seria difícil vê-lo em São Pedro Nolasco, guerreiro que é enterrado com sua couraça e sua espada...

Assim fica essa indicação para hoje.