Plinio Corrêa de Oliveira

 

A vocação da TFP e a Consagração

a Nossa Senhora

segundo o método de

São Luis  Maria Grignion de Montfort

 

Santo do Dia – 23 de junho de 1990 – Sábado

  Bookmark and Share

A D V E R T Ê N C I A

O presente texto é adaptação de transcrição de gravação de conferência do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira a sócios e cooperadores da TFP, mantendo portanto o estilo verbal, e não foi revisto pelo autor.

Se o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira estivesse entre nós, certamente pediria que se colocasse explícita menção a sua filial disposição de retificar qualquer discrepância em relação ao Magistério da Igreja. É o que fazemos aqui constar, com suas próprias palavras, como homenagem a tão belo e constante estado de espírito:

“Católico apostólico romano, o autor deste texto  se submete com filial ardor ao ensinamento tradicional da Santa Igreja. Se, no entanto,  por lapso, algo nele ocorra que não esteja conforme àquele ensinamento, desde já e categoricamente o rejeita”.

As palavras "Revolução" e "Contra-Revolução", são aqui empregadas no sentido que lhes dá o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira em seu livro "Revolução e Contra-Revolução", cuja primeira edição foi publicada no Nº 100 de "Catolicismo", em abril de 1959.

 

Pormenor da "pupitre" utilizada para as conferências na Sala do Reino de Maria, na Sede da Rua Maranhão, decorada pelo Prof. Plinio. O leão à esquerda está lutando contra uma serpente bicéfala simbolizando o orgulho e a sensualidade, as duas molas propulsoras da Revolução. E o da direita está enfrentando uma serpente com três cabeças, em recordação das três Revoluções. Ao centro, a frase "Residuum revertetur - O resto voltará". O ano de 1571 evoca a vitória da Cristandade em Lepanto.

 


 

Para aprofundar o tema desenvolvido neste “Santo do Dia”, sugerimos a leitura também:

- da obra do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira Guerreiros da Virgem – A RÉPLICA DA AUTENTICIDADE – A TFP sem segredos”, Cap. IX, 3. O que a TFP pensa de si mesma e do papel que lhe caberá no Reino de Maria (1986);

- do prefácio do Prof. Plinio ao livro "A TFP: uma vocação - TFP e famílias - TFP e famílias na crise espiritual e temporal do século XX" (1986);

- Conferência de 9 de abril de 1983 “Algumas reflexões sobre a posição da TFP ante a Igreja (sociedade espiritual) e o Estado (sociedade temporal)”, na qual são abordados temas como: qual é o papel do Clero e dos leigos na sociedade? O que a TFP é e pretende ser no futuro? Uma Sociedade inteira e abnegadamente a serviço da Igreja e da civilização cristã, submissa aos legítimos pastores espirituais e vivendo em perfeito acatamento às autoridades civis. Mas, ao mesmo tempo, irradiando os bons princípios e estimulando as boas iniciativas por toda a Cristandade, sem querer ocupar qualquer posição de mando nem na Santa Igreja nem na sociedade temporal.


 

 (Pergunta: Nós do grupo “Regina Cordium” tivemos um simpósio na sede “Acies Ordinata” onde nos foi mostrada a vocação da TFP. O nosso grupo se  prepara para fazer a consagração a Nossa Senhora, segundo o método de São Luis Grignion de Montfort. Então, pedimos que o Sr. nos mostre a relação que há entre a vocação da TFP e o “Tratado da Verdadeira Devoção” de São Luis Grignion.)

Está muito bem escolhido o tema.

A nossa vocação propriamente qual é? Este é o primeiro ponto. Depois, a relação que ela tem com Nossa Senhora.

A TFP tem uma vocação especial baseada num ponto de História.

Há duas sociedades perfeitas vivendo juntas, a bem dizer uma na outra, a segunda na primeira: a Igreja e o Estado. Por exemplo, podemos dizer: a Igreja vive no Brasil. É verdade. Ela não vive só no Brasil, mas também vive no Brasil. Graças a Deus este juízo é verdadeiro.

E se se disser: “O Brasil vive na Igreja”? A Santa Igreja Católica Apostólica Romana é imensamente mais ampla, em todos os sentidos da palavra, do que o Brasil. Todavia, o nosso País é uma nação que vive dentro da Igreja Católica, porque a grande maioria de seus membros fazem parte d'Ela. É mesmo a nação de maior população católica da Terra. Desta forma, a primeira vive na segunda, e a segunda vive dentro da primeira.

Fisicamente, não se pode compreender... Esta água está contida neste copo, mas este não está presente dentro da água. Espiritual e temporalmente falando, no caso citado em primeiro lugar (o Brasil está contido na Igreja e a Igreja vive no Brasil), a sentença é verdadeira.

Uma vez que esta nação e a Igreja Católica estão tão ligadas, é forçoso que esse embricamento se defina em termos de convívio: a Igreja convive com o Brasil; o Brasil convive com a Igreja.

Tudo aquilo que convive se co-influência. Um ser vivo junto de outro ser vivo influenciam-se.

 

* A influência recíproca inevitável: parábola do beluchistanês 

Imaginem um fato inteiramente anormal, mas que, afinal, pode ocorrer.

Num aeroporto, o tempo está ruim. Os passageiros não estão com vontade de viajar naquelas condições meteorológicas e o comandante do avião comunica que entre eles, passageiros daquele vôo, há um personagem muito importante, o qual necessita viajar imediatamente; os que quiserem arriscar-se, podem embarcar e o avião decolará logo.

Verifica-se que a pessoa mencionada pelo comandante é o embaixador do Beluchistão no Brasil. Depois de alguns momentos, dirige-se ao guichê de embarque um brasileiro que - sabe-se - não vai para o Beluchistão, mas sim para uma ilha do Pacífico. Lá, o avião fará escala e o embaixador rumará até o seu destino.

Os dois passageiros olham-se com fisionomias meio arrevesadas: "Quem será esse homem do Beluchistão com quem vou viajar? Onde fica tal país? Que negócios terá? Em que encrenca vou me meter, num avião que irá corcoveando por ares pouco conhecidos? Pode haver de tudo!"

O beluchistanês, um diplomata – um pouco mais habituado a dominar-se – olha de soslaio para o seu companheiro de viagem, e acha que é necessário trocar um cumprimento. O brasileiro mostra-se um tanto ou quanto assustado. E sentam-se em pontos extremos do avião. Até a hora deste último descer na ilha do Pacífico, os dois estarão dentro do avião.

Quando o avião fizer escala na ilha, o brasileiro descerá, a porta será batida atrás dele, e os dois viajantes nunca mais se verão. O brasileiro nunca mais pensará no Beluchistão; o beluchistanês irá com a sua cabeça cheia de seus próprios negócios, e não pensará mais naquele brasileiro. Um fato ficou consumado: apenas dormiram uma noite naquele avião, cada um numa ponta; não trocaram uma palavra, não se olharam mais.

Vamos dizer que estejam ambos acordados, quando raia a manhã. Ouve-se um blim!-blim! nos alto-falantes de bordo, e uma voz diz: "Bom dia, senhores passageiros... São 7 horas da manhã. Sobrevoamos o Oceano Pacífico. Estamos a 10 mil metros de altitude! Daqui a pouco passaremos ao largo do famoso quadrilátero das voragens. Qualquer aeronave que nele penetre, fica sujeita a um rodopio e ser deglutida pelo mar. Tenhamos alegria, porque a alegria evita as desgraças – nada de oração. Façamos cara de contentes! Vamos ouvir a última música do conjunto tal..." E se desata uma canção imbecil pelo avião...

Durante todo o tempo da viagem, sem se aperceberem disso, um passageiro influenciou o outro. Por que? Porque o convívio influencia. De um modo ou de outro influencia, ainda que seja pela reação. Ao encontrar um tipo muito esquisito, no avião, embora não trocando uma palavra com ele, um pensa: "Mas que tipo arrevesado este"... E o outro pensará o mesmo do primeiro. Assim, vão-se elaborando antipatias ou simpatias recíprocas, que serão a marca que o convívio deixará nos viajantes.

 

* Influência recíproca Igreja-Estado 

Logo, a Igreja, cumprindo a Sua divina missão, influencia a sociedade civil. Não se pode negar isso. Também é verdade que a sociedade civil, cumprindo a sua missão natural, por ricochete, influencia a Igreja. É próprio à sociedade civil, no plano terreno (portanto mais baixo), proporcionar por exemplo cultura, instrução, um linguajar próprio, um modo de ser aos que habitam em um país. Tanto é assim que cada país tem uma linguagem própria, um feitio psicológico peculiar que lhe é comunicado pela sociedade civil.

As pessoas embebidas dessas circunstâncias, comunicadas pela sociedade civil, viverão de um certo modo que, em si, pode ou não ter algo de bom: é neutro. A Igreja vai alterar esse modo de ser? Não. Ela aceita tal como  está, mas instila nesse modo de ser a graça de Deus.

Para falar em termos brasileiros: considerem um nordestino loquaz. Ou  um mineiro sagaz que acha que conversa com mais de dois é comício: é preciso falar pouco porque – de repente – sai o que não se quer; ao falar, mais vale fazê-lo no ouvido outro, porque quem sabe um outro escuta a conversa...  Ou então um paulista, com jeito de superioridade e de organizar a vida com uma certa grandeza. Ou um carioca cheio de charme, graça, amável etc. E daí em diante... Podem ir até o Rio Grande do Sul com seus heróicos cavaleiros dos pampas. Cada um tem um modo de ser que é próprio. Isto não tem nada de mau ou de bom, em si. A influência da Igreja se exerce sobre aquele local, indivíduo, ou conjunto de indivíduos que constituem um Estado, para que aquele modo de ser seja bem exercido, de acordo com os Mandamentos da Lei de Deus, da Igreja e da moral católica etc. A Igreja pega o fato consumado e torneia-o assim.

O lazer. Quantos povos têm lazeres diferentes! Não vou entrar aqui em pormenores também. Lembro-me de um povo que é tão silencioso que lhe apraz, aos Domingos, trancar-se no quarto com uma garrafa de uma bebida alcoólica qualquer, beber e dormir. Não garanto que seja sempre conforme a virtude da temperança, e que não entre o pecado da gula pelo meio... Enfim... Beber e dormir, sem ter amolação com ninguém, porque o que se gosta é ficar quieto.

Não é o feitio do brasileiro. Se alguém lhe for propor ficar o domingo no quarto deitado, com ou sem garrafa, ele não gosta. Precisa de conversar...

Poderíamos dar exemplos sem conta. Mas tanto o brasileiro quanto o da tal nação silenciosa – assim como outros povos – entram na Igreja. O conjunto dos povos, num certo sentido da palavra, influenciam a Igreja. Ou seja, Ela vai dizer e ensinar como uma boa mãe. E sendo Ela continuamente uma boa mãe,  adapta o seu modo de tratar de acordo com cada filho. Assim faz a Igreja com cada nação.

Então, a sociedade civil exerce sua influência também sobre a Igreja. São influências exercidas de maneiras diferentes, de naturezas diversas, mas são exercidas.

No passado, antes da Idade Média em geral, as lutas contra a Igreja – heresias, cismas e perseguições – partiam de uma reação da sociedade civil, que não queria aceitar a Igreja como era; ou partiam de uma luta, dentro da Igreja, de gente que não desejava sair d'Ela, mas pretendia professar uma doutrina diferente, sobretudo praticar uma moral relaxada, quando a Moral da Igreja é ilibada, perfeita e não comporta nenhuma espécie de relaxamento.

 

* A crise atual na Igreja 

Na crise contemporânea, como nós estamos? A crise começou na sociedade civil e desta última penetrou na Igreja? Ou foi o contrário? Foram hereges e cismáticos, dentro d'Ela, que influenciaram a sociedade civil?

 A resposta é a seguinte: no caso da sociedade contemporânea, a crise veio da sociedade civil e entrou na Igreja, porque não encontrou da parte dos católicos, que deveriam ter resistido, a reação necessária. Não encontrou  vigilância, de maneira que os erros se expandiram dentro d'Ela, sem que muitos percebessem que estavam entrando... Nem percebiam claramente que eram erros. Assim se espalhou. Depois, quando foram reagir, já era tarde. Aí estralou uma heresia e uma revolução.

No caso concreto, a crise atual da Igreja, como a crise das três  Revoluçõesda qual a crise contemporânea na Igreja é uma parte ou uma ramificação delasnasceram com o Humanismo, a Renascença e todas elas são oriundas da sociedade civil. Tais erros contaminaram a Igreja, donde brotou o Protestantismo, que é um erro religioso. E daí todo o resto emanou.

Aliás, o livro Como ruiu a cristandade medieval? (Edições Brasil de Amanhã, 1990, 293 páginas) é muito documentado. Vale a pena os senhores o lerem. Fica provado que houve um começo de erro na sociedade civil, de onde proveio a desordem.

 

* Nossa vocação consiste em agir no foco de onde partiu o erro 

Nossa vocação qual é? É agir no foco de onde partiu o erro. Ou seja ficar na sociedade civil e, dentro dela, enfrentar a fera onde estiver. Outros têm uma vocação mais elevada do que a nossa, como –  por exemplo – o clero. Porém, nossa vocação é de agir dentro da sociedade civil, e aí combater os seus erros, para evitar que eles – uma vez mais – pulem para dentro da Igreja. Fica aqui uma primeira noção.

Agora entra uma segunda noção: o Reino de Cristo e o Reino de Maria no mundo o que são?

O Reino de Cristo e o de Maria são um só e mesmo Reino, quer dizer, onde Cristo é Rei, Nossa Senhora é Rainha. Reciprocamente, onde Nossa Senhora é Rainha, Nosso Senhor Jesus Cristo é Rei. São dois aspectos de uma situação.

O que significa na sociedade civil esse Reino? E na Igreja? A Igreja é muito mais forte e ricamente o Reino de Cristo e de Maria, do que a sociedade civil, porque Ela não está condicionada a certas circunstâncias que há na primeira. A sociedade civil tem problemas econômicos, sociais e de toda a ordem dos quais é preciso cuidar, que tomam o tempo, atravancam e caceteiam. A Igreja, normalmente, tem todas as condições para estar organizada segundo a vontade de Deus. Quando a Igreja se encontra no fervor em que deve estar, Ela é – no sentido pleno da palavra – o Reino de Cristo e de Maria.

Trata-se de um reino espiritual, pois Nosso Senhor Jesus Cristo não foi um Rei temporal. Ele descendia dos reis de Israel, mas não foi Rei temporal. Quando Pilatos Lhe perguntou: "Tu és rei?" Ele respondeu que era Rei, mas não deste mundo. É o Rei espiritual que dirige, encaminha e governa as almas, e quer receber a adoração, a obediência e a homenagem das almas. A relação d'Ele com os homens é toda ela espiritual.

Na sociedade temporal – no Estado –, Ele não tem nenhuma forma de reinado? Um Estado também não se pode dizer Reino de Cristo? Não pode dizer-se também Reino de Maria?

 

* A consagração de Estados 

Por exemplo, vários Estados têm-se consagrado ao Sagrado Coração de Jesus. O Rei Afonso XIII, de Espanha, no Cierro de Los Angeles, também aclamou a nação espanhola como reino de Cristo. Em Portugal, o primeiro rei da dinastia dos Braganças consagrou a Nossa Senhora o reino de Portugal, constituindo-A sua Rainha. A coroa dos reis de Portugal nunca mais foi usada em Lisboa, e está depositada, desde 1640, aos pés da imagem de Nossa Senhora, em Vila Viçosa, para atestar ou certificar que Nossa Senhora é a Detentora do poder – a coroa é o símbolo do poder – em Portugal.

 

 

Nossa Senhora da Conceição, Rainha de Portugal - Santuário de Vila Viçosa

 

O que significa Nossa Senhora Rainha de Portugal? Nosso Senhor Jesus Cristo Rei da Colômbia? Do Equador? O que significa concretamente? Quer dizer o seguinte:

1) a grande maioria dos membros dessa nação são católicos; 2) conhecem a Lei de Deus, a Lei da Igreja, a Moral católica e obedecem aos conselhos evangélicos, na medida em que toca a cada cidadão etc., de tal maneira que, pela obediência à voz da Igreja, pela obediência aos Seus ensinamentos, essa nação torna-se Reino de Jesus Cristo. Por que? Porque é Rei aquele cuja vontade é reconhecida como sendo de direito e de fato, a vontade à qual todos têm que se sujeitar. Esse é um Rei!

Nosso Senhor Jesus Cristo reconhecido como sendo o Homem-Deus, Nossa Senhora como sendo a Virgem-Mãe de Deus, todos os homens devem obedecer à vontade dEles. Quando todos os homens obedecem à vontade dEles, ali está uma terra que se chama Reino de Cristo ou Reino de Maria.

 

* Nossa vocação é trabalhar na sociedade civil para que as almas não amoleçam 

Qual é a nossa vocação? É trabalhar dentro da sociedade civil para fazer com que não amoleçam dentro dela as resistências à vontade e ao ensinamento da Santa Igreja, para que cresça a apetência, a admiração por aquilo que Ela manda; que haja uma vontade ardente de que todas as coisas sejam conformes o espírito da Igreja. Ou seja, para a implantação do Reino de Cristo e de Maria naquela sociedade civil.

O que vem a ser, nisto, uma consagração? Entro aqui no tema que me foi pedido.

A consagração é o ato pelo qual uma pessoa (reconhecendo que Nosso Senhor Jesus Cristo é quem Ele é, reconhecendo que Nossa Senhora é quem Ela é) toma a seguinte atitude: dá-se-Lhe por inteiro, e torna-O inteiramente Senhor de quanto essa nação tem, e de tudo quanto essa nação é. Assim dá-se um passo a mais, do que a simples condição de uma pessoa.

Dou um outro exemplo: imaginem uma pessoa que foi batizada. Ela é membro da Igreja Católica Apostólica Romana. Contudo, não fez uma especial consagração, depois de adulta, de sua pessoa e do que ela tem a Nosso Senhor. Se ela fizesse a consagração, tudo o que ela tem oferece a Nosso Senhor, para que Ele disponha como quiser. Está disposta a aceitar de Nosso Senhor o que Ele quiser dela. Em compensação, Ele a toma debaixo de uma proteção especial, concede-lhe graças especiais e, por assim dizer, tudo quanto Ele tem fica da pessoa consagrada. É uma permuta de dons: nós ficamos pertencentes inteiramente a Ele; mas em um certo sentido da palavra, Ele fica pertencente a nós. Esta é a consagração.

 

* Relação entre a Consagração a Nossa Senhora e a vocação da TFP 

Então, que relação há entre essa consagração e nossa vocação?

É extremamente árduo derrubar a Revolução gnóstica e igualitária. Os senhores estão vendo o seu poder, notam como é esmagador e como vai – de um modo ou de outro – avançando. Os senhores vêem como somos poucos numerosos em comparação com a Revolução. E, sobretudo, como não temos os meios que ela tem para dominar.

Temos uma tarefa enorme a realizar: trabalhar para que as mentalidades manuseadas pela Revolução digam “não” cada vez que ela diz “sim”. E cada vez que a Revolução diga “não”, elas digam “sim”. Devemos querer fazer o contrário da Revolução.

A nossa vida e luta são duras. Todos nós somos convidados continuamente pela Revolução a trair Nosso Senhor, Nossa Senhora e a Igreja, e a abraçar a vida mole.

O Canon da Missa tem um trecho que trata dos ímpios, ao dizer: "in quorum manibus iniquitates sunt dextera eorum repleta est muneribus – eles têm a infâmia nas mãos, a direita deles está cheia de subornos (Salmos 25, 10).

Toda pessoa tem maus momentos, dificuldades, crises em que pode tender a trair. Então, a primeira dificuldade de nosso caminho é a perseverança.

Mas não basta a perseverança, temos que nos santificar. Quer dizer, devemos visar a perfeição moral, pela qual fiquemos, nesta batalha dos espíritos, das almas – as boas contra as más – gigantes. E para o alcançarmos não há outro meio senão cada vez mais ter piedade, devoção, ser exímio no amor de Deus, no amor a Nossa Senhora, à Santa Igreja Católica Apostólica Romana, etc.

A primeira etapa de nosso combate espiritual não é o enfrentamento com os defeitos alheios, mas calcar aos pés os nossos defeitos e melhorarmos a nós mesmos. Nosso Senhor é um Deus onipotente, de uma misericórdia infinita. À Sua Mãe constituiu-A como advogada junto a Si.

Imaginem um juiz que tem um réu que precisa de uma advogado. O juiz diz: "Bem, vou indicar para advogar esta causa a minha mãe"... É sinal de que o réu já tem o coração do juiz ganho a seu favor. Antes de julgar, ao indicar o advogado, ele já capitulou. Ele não capitula diante da injustiça, não irá absolver um homem impenitente, que não quer abandonar o seu pecado. Mas  dará todas as graças necessárias para que a pessoa abandone o pecado e se santifique. É por esta forma que se estabelece o vínculo entre o consagrado e Aquele a quem se consagrou.

Alguém se consagra a Nosso Senhor. Nosso Senhor diz: "Minha Mãe, Vós sois advogada dele". Ela dirá: "Meu Filho, muito bem. Mas, sem Vossas graças, o que poderei? Dai-lhe tais graças, tais outras e outras..." As mães são assim...! Eu me lembro da minha: era afetuosamente insaciável de graças para si mesma, pois a primeira obrigação de cada um é para com a sua própria santificação. Em seguida, para com os dela: o esposo, o filho, a filha e os demais parentes. Depois, para todo o mundo. A mãe terrena é um exemplo do que é Nossa Senhora de um modo inefavelmente superior.

Nossa Senhora pedirá para nós uma graça, outra e outra, sem parar... Este fato é resultado de nós sermos batizados e filhos da Igreja. Depois também, a título especial, devido ao fato de nos termos consagrado a Ela. E, enquanto tais, pertencermos especialmente a Ela. E assim também Ela, de algum modo, nos pertencer. E pede, pede e pede... Deus Lhe concede generosamente as graças pedidas.

Ele nunca obriga pela graça uma pessoa a seguir os Mandamentos. O homem continua livre, mas Deus exerce tantos atrativos sobre nossa alma, que facilita enormemente o caminhar bem. Se não fossem essas graças, nenhuma pessoa andaria bem. Se não fosse a graça, a Revolução há muito tempo teria tomado conta do mundo, o demônio estaria sendo adorado por toda humanidade etc. É por causa da graça que a Revolução ainda não tomou conta do mundo.

Nossa Senhora tem uma hora marcada em que o mundo, se não se converter antes disso, terá pecado tanto, mas também será tão castigado que o perdão chegará. Nessa hora do perdão, aqueles que são d'Ela, sê-lo-ão inteiramente. Ao aproximar-se dos seus adversários, terão tais palavras de fogo, tais palavras de censura, de recriminação, que eles não ousarão enfrentar nem o olhar, nem a palavra, nem a presença dos filhos d'Ela. Será a hora em que Nossa Senhora terá resolvido mostrar a Sua onipotência.

O primeiro passo para tal é que estejamos, portanto, o mais possível dentro de Seus planos, isto é, repletos e saturados da graça que Ela nos destinou. E é um passo excelente para essa graça o fato de nos termos consagrados. Este é o sentido da consagração.

Se alguém deseja vencer nessa batalha espiritual, consagre-se a Nosso Senhor pela intercessão de Nossa Senhora! Porque o fato de se ter consagrado e, portanto, pertencer especialmente a Nossa Senhora, isto é uma couraça, um elmo, um escudo, uma lança, uma espada não mão daquele que estiver combatendo.

Os senhores estão vendo como eu promovo campanhas de esclarecimento da opinião pública e outros atos que entram na luta de todos os dias. E devo fazê-lo! Mas tudo isto só é bom na medida em que, realmente, estivermos unidos a Nossa Senhora, dependentes d'Ela, vivendo nossa consagração a Ela. E, por Ela, ao Sagrado Coração de Jesus, cujo mês de junho Lhe é consagrado.

 

* Estado de espírito durante a campanha 

Quando os senhores saem para a campanha nas ruas, eu gostaria muito  que se perguntassem a si mesmos: “Estou bem consciente de que esta minha ação – ainda que seja a de ser membro da fanfarra – é feita todo o tempo por amor de Deus? Se for feita inteira e constantemente por amor de Deus, de Maria Santíssima e da Santa Igreja, conseguirei "n" vezes mais do que em caso contrário”.

A fanfarra é uma arte. E toda arte praticada com amor de Deus e por amor de Deus, de Nosso Senhor Jesus Cristo, de Nossa Senhora e da Santa Igreja, toca os corações.

 

 

 

Querendo fazer uma experiência disso, vão amanhã ou qualquer dia que possam à Sede do Reino de Maria, e entrem na Sala do Reino de Maria. Considerem ali um nicho onde está uma imagem de madeira de Nossa Senhora de Paris. Em torno desse nicho há umas pinturas sobre fundo dourado representando Anjos. São elas cópias bem feitas e de muito boa qualidade de anjos pintados pelo Beato Angélico. Esses anjos têm uma coisa qualquer que, quem olha, fica com o coração tocado por aquilo. Os Anjos angelizam...

Não se trata de tomar ares de quem está cheio de graça. Não faça assim. Não seja ator de qualquer espécie de comédia em matéria sagrada! Seja como é e que, se a graça quiser, transparecerá. “Seja como é”, não. Seja como deve ser e a graça transparecerá.

Alguém objetará: "Dr. Plínio, tudo isso é muito bonito. O Sr. está pintando essa luta de um fator imponderável, que é uma participação criada na própria vida incriada de Deus – ou seja, a graça – tocando as almas e passando por cima de tudo quanto é material. O Sr. faz desta batalha de alma a alma o essencial de uma luta. É muito bonito... Mas o Sr. já pensou como é difícil fazer isso?"

Respondo: "Meu filho, é. Nesta sala não há ninguém, neste mundo não houve ninguém – exceto Nossa Senhora que foi concebida sem pecado original e, naturalmente Nosso Senhor Jesus Cristo – sem tendência para o pecado. Em muitas ocasiões da vida é difícil não pecar. Vemos isso na hagiografia. Em toda  vida de santos há momentos em que foram muito duramente tentados, rezaram, resistiram à tentação e subiram na vida espiritual. Peça! Peça! Reze! Reze! Seja piedoso que tudo se resolverá”.

Contra isto se poderia objetar – e com isto estou terminando – uma anedota ou casinho, que se conta, acontecido algures por algum país da Europa.

Havia, numa diocese, uma paróquia desorganizada, inculta e menos arranjada do que as outras paróquias, uma parte era mato... O bispo mandou, então, para lá um padre piedoso e bom, mas ao mesmo tempo muito espirituoso. Como o padre tivera um belo sucesso na ordenação da paróquia, o bispo receava que o padre ficasse vaidoso ao lhe mostrar os resultados obtidos. Então, na visita episcopal, o padre ia mostrando e dizendo: "Sr. Bispo, aqui está a matriz!" – “Muito bem, muito bem – comentava o bispo. Não há dúvida nenhuma. Graças a Deus". E esse comentário era um modo de lembrar ao padre que o fator principal era Deus, e tinha toda a razão.

E assim o sacerdote foi-lhe mostrando tudo, ao que o bispo sempre dizia: "Graças a Deus!" Então o padre, voltando-se para o bispo, disse: "Se V. Excia. soubesse como estava esta paróquia, quando aqui só estava Deus...!" Isto era um modo de dizer que Deus age por meio dos homens, e que estes são livres de agir bem ou mal. Entra, portanto, um mérito humano subordinado à ação de Deus. Sem a ação de Deus, não faria nada. Deus quer que os homens façam. Muitas vezes, as coisas não saem, porque os homens não fizeram. Deus deu as graças, mas os homens não as aproveitaram ou não corresponderam, dormiram sobre as graças recebidas, foram ingratos e sem-vergonhas. Então, não se correspondeu à graça.

 

* Se não houvesse a campanha da TFP em favor da independência da Lituânia...

 

 

Acima, tanque soviético esmaga um dos tantissimos heróis lituanos, em Vilnius. Ante o Teatro Municipal (foto abaixo) na capital paulista, campanha promovida por Plinio Corrêa de Oliveira pela libertação da Lituânia, também ela vítima do imperialismo comunista

 

 

Nessa perspectiva, é confortador pensar, por exemplo, o seguinte sobre a campanha em favor da independência da Lituânia: já estamos caminhando para dois milhões de assinaturas! Os senhores estão vendo o governo da Lituânia que se move, que nos manda agradecer, reconhecendo que é uma das mais importantes ajudas que já recebeu do Ocidente etc.

Se nós não fizéssemos essa campanha, como estaria a opinião pública face o caso da Lituânia?...

Agora está um fogo lavrando a favor da Lituânia, porque as TFPs se dedicaram a isso. Por que as TFPs empreenderam essa campanha? Porque Nossa Senhora chamou, pela voz da graça, aos que estão colaborando com tais esforços.  Em concreto, chamou a todos os que estão dentro desta sala. Chamou-os pela graça e esta produziu este resultado.

Então, como Ela nos chamou e dissemos “sim”, o resto foi uma conseqüência. Deus quis que assim fosse: chamasse e ficasse dependendo de nós. Se não tivéssemos feito o que fizemos, haveria o sério risco de se ficar  dormindo e babando enquanto uma nação estava perecendo por falta de auxílio.

O fator primeiro foi a graça que nos chamou. Foi a graça que nos acompanhou, e para obtenção da qual devemos rezar continuamente. Só podemos obtê-la – com uma amplitude única – se rezarmos a Nossa Senhora, e Ela for a nossa medianeira. E Ela, por Sua vez, rezar ao Seu Divino Filho, alcançando-nos tudo.

Então, primeiro passo: consagrar-se a Nossa Senhora e pedir a graça. Segundo passo: receber a graça. Terceiro passo: corresponder à graça, apesar de ser difícil, de haver sacrifícios dizer sempre: "Minha Mãe, eu arco com esse sacrifício por Vossa causa", e ficar um membro da TFP. Quarto ponto: não é só difícil ficar um membro da TFP, mas é difícil continuar. Então, ir continuando... Mas meu gesto foi errado quando indiquei, com um gesto de mão,  continuando horizontalmente. Porque na TFP nós continuamos assim: subindo!  E à medida que formos subindo, seremos “mutatis mutandis” semelhantes (nas nossas devidas proporções, obviamente) à Nossa Senhora da Qual as Sagradas Escrituras se referem como sendo “terribilis ut castrorum acies ordinata – terrível como um exército em ordem de batalha” (Ct 6, 4). A Igreja diz que Ela é como “um exército em ordem de batalha”. Por efeito da consagração a Nossa Senhora, iremos sendo cada vez mais vitoriosos. Se todos fizermos isto, a Revolução estará com os dias contados.

Esta batalha é travada no exterior, mas na realidade profunda, é principalmente no interior de nós.

 

*      *      *


Vídeo de apresentação da Sede do então Conselho Nacional da TFP (atualmente sede do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira), decorado sob direta orientação e inspiração do Prof. Plinio, onde ele costumava rezar, trabalhar, receber personalidades do Brasil e do Exterior, bem como a membros das diversas TFPs e entidades afins, provenientes das mais diferentes classes sociais e regiões do globo.

 

Parte I

 

 

 

Parte II

 

 

 

Parte III (fim)

 

 

 

Abaixo, os três vídeos em um só

 

 


ROI campagne pubblicitarie