Plinio Corrêa de Oliveira

 

 

“Projeto de Constituição

angustia o País”

(1987)

 

Há 30 anos o Brasil foi alertado...

 

 

 

 

 

  Bookmark and Share

 

Em sua obra acima referida e publicada em fins de 1987, o Prof. Plinio escreveu:

"7. Divórcio entre o Estado e a Nação

Se tal não ocorrer, convém insistir em que o divórcio entre o País legal e o País real será inevitável. Criar-se-á então uma daquelas situações históricas dramáticas, nas quais a massa da Nação sai de dentro do Estado, e o Estado vive (se é que para ele isto é viver) vazio de conteúdo autenticamente nacional.

Em outros termos, quando as leis fundamentais que modelam as estruturas e regem a vida de um Estado e de uma sociedade, deixam de ter uma sincronia profunda e vital com os ideais, os anelos e os modos de ser da nação, tudo caminha nesta para o imprevisto. Até para a violência, em circunstâncias inopinadas e catastróficas, sempre possíveis em situações de desacordo, de paixão e de confusão.

Para onde caminha assim a nação? Para o imprevisível. Por vezes, para soluções sábias e orgânicas que seus dirigentes souberem encontrar. Por vezes, para a improvisação, a aventura, quiçá o caos.

(...)

9. Um imprevisível desfecho para o Estado brasileiro

É de encontro a todas essas incertezas e riscos que estará exposto a naufragar o Estado brasileiro, desde que a Nação se constitua mansamente, jeitosamente, irremediavelmente à margem de um edifício legal no qual o povo não reconheça qualquer identidade consigo mesmo.

Que será então do Estado? Como um barco fendido, ele se deixará penetrar pelas águas e se fragmentará em destroços. O que possa acontecer com estes é imprevisível.

É para evitar à nossa Pátria esta catástrofe por antonomásia que a TFP, em espírito de concórdia e de cooperação, dirige este brado de apelo, e esta cordial proposta aos Senhores Constituintes”. 

*    *    *

Infelizmente, porém, não poucos dos responsáveis pela elaboração da atual Constituinte preferiram não considerar de frente as fortes probabilidades de catástrofes que dela adviriam. Assim, por exemplo, o Deputado Bernardo Cabral da Comissão de Redação da Constituição, em programa televisivo de 23 de novembro de 1987, respondendo a pergunta do Prof. Plinio, afirmou:

 

*    *    *

Hoje (18 de maio de 2017), fazemos mais do que nunca nossas as palavras com as quais o Prof. Plínio concluía sua clarividente obra:

E para que nos desvie de tantas e tão sinistras perspectivas, pede a TFP a decisiva e materna intercessão de Nossa Senhora Aparecida, gloriosa Rainha do Brasil".


ROI campagne pubblicitarie