Plinio Corrêa de Oliveira

 

Pierre Toussaint:

apóstolo do amor à hierarquia social

 

 

 

 

 

 

 

 

Santo do Dia, 29 de maio de 1991

  Bookmark and Share

 

A D V E R T Ê N C I A

Gravação de conferência do Prof. Plinio  a sócios e cooperadores da TFP, não tendo sido revista pelo autor.

Se Plinio Corrêa de Oliveira estivesse entre nós, certamente pediria que se colocasse explícita menção a sua filial disposição de retificar qualquer discrepância em relação ao Magistério tradicional da Igreja. É o que fazemos aqui constar, com suas próprias palavras, como homenagem a tão belo e constante estado de espírito:

“Católico apostólico romano, o autor deste texto  se submete com filial ardor ao ensinamento tradicional da Santa Igreja. Se, no entanto,  por lapso, algo nele ocorra que não esteja conforme àquele ensinamento, desde já e categoricamente o rejeita”.

As palavras "Revolução" e "Contra-Revolução", são aqui empregadas no sentido que lhes dá o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira em seu livro "Revolução e Contra-Revolução", cuja primeira edição foi publicada no Nº 100 de "Catolicismo", em abril de 1959.

Nessa conferência, o Prof. Plinio comenta esta figura, cuja catolicidade indômita é exemplo para nós.

Leia o prefácio (em português) que o Fundador da TFP escreveu para a obra "Memoir of Pierre Toussaint, Born a Slave in St. Domingo", de autoria de Hannah Sawyer Lee, Western Hemisphere Cultural Society, Sunbury (Penn., USA), 1992.

Pierre Toussaint (1766 –1853) foi escravo de católica família de nobres franceses, proprietária de plantação de cana de açúcar em Saint Pierre (hoje Haiti), viveu feliz trabalhando na casa de seus donos, sendo encorajado por eles a ler e escrever devido à sua inteligência e precocidade. Quando o clima da Revolução Francesa atingiu aquela ilha, mudou-se ele com seus senhores para Nova York, onde aprendeu a profissão de cabelereiro, na qual logo se notabilizou, tornando-se o preferido da elite local. Com isso, pôde sustentar sua dona quando esta perdeu o marido e a fortuna. Casou aos 45 anos com uma escrava que resgatara. Toussaint morreu octogenário, sendo enterrado na igreja de Saint Peter, que ajudou a construir e frequentou até sua morte, durante sessenta anos. Seu processo de beatificação e canonização está em curso, sendo atualmente Venerável. Suas relíquias repousam na cripta da catedral de Nova York (Saint Patrick).


ROI campagne pubblicitarie